Grande é a sorte de quem tem uma boa garrafa, um bom livro e um bom amigo. "Molière"

News

A “videira do futuro” rumo à altitude. Um novo desafio para os produtores

Um novo estudo italiano mostra que o ciclo vegetativo será significativamente reduzido nos próximos anos. Para sobreviver, a indústria vitivinícola deve redesenhar seu futuro.

Uma pesquisa conduzida pela Fundação Edmund Mach (FEM), centro c3A junto com a Universidade de Trento e a Fundação Bruno Kessler, relata um fato: a mudança climática atacará mais a região do Mediterrâneo, onde as temperaturas subirão mais do que em outras áreas.

E para sobreviver “a indústria vitivinícola deve investir no futuro”, explica a diretora do Centro de Agricultura Alimentar do Meio Ambiente C3A Ilaria Pertot. “Todo o setor é chamado a redesenhar as estratégias de adaptação para gerenciar o impacto esperado, implementando verificações no nível regional que representam um nó crucial para a aplicação de estratégias direcionadas”, explica Pertot.

Para o estudo, que mais uma vez ressalta a importância da natureza multidisciplinar do sistema Trentino, foi aplicado o modelo climático regional FENOVITIS, utilizado para simular as fases de brotação, floração e vingamento de cinco variedades – Chardonnay, Merlot, Pinot Nero, Pinot Grigio e Sauvignon Blanc – com altitudes de cultivo variando de 67 a 950 metros acima do nível do mar. O cálculo foi implementado em uma plataforma modular de código aberto (ENVIRO) que inclui o mapa cadastral da Província, abrangendo um total de 25.8654 vinhedos.

As séries meteorológicas, por outro lado, foram obtidas do banco de dados regional da FEM e do serviço meteorológico PAT baseado em 33 estações de pesquisa. A pesquisa utilizou intensamente recursos computacionais e modelos numéricos, desenvolvidos por pesquisadores da Fundação Bruno Kessler.

Em geral, de acordo com a premissa da publicação, o aumento da temperatura poderia trazer um avanço de 6 a 25 dias para as diferentes videiras, com uma média de 3 a 6 dias de antecedência para cada grau de aquecimento nos últimos 30 a 50 anos.

No entanto, este aumento não será homogêneo em uma região montanhosa como Trentino. Localmente, de fato, a principal mudança na fenologia da videira é esperada onde os valores das temperaturas básicas são mais baixos, ou seja, em altitudes mais altas. As primeiras conseqüências são esperadas já nos próximos 30 anos e serão ainda mais evidentes no final deste século.

Especificamente, a coleta ocorrerá antes das condições atuais: de uma a duas semanas nos anos 2021-2050 e até quatro semanas nos trinta anos 2071-2099. As simulações mostram, além disso, um encurtamento da estação entre a brotação e a colheita e um avanço fenológico.

Finalmente, se suponhe que o tempo de colheita reduza o intervalo de tempo na vindima entre os vinhedos de montanha e no vale, devido ao desenvolvimento fenológico mais rápido em altitudes mais elevadas. Olhando para as variedades, Pinot Grigio e Merlot, cultivadas em vinhedos localizados em altitudes mais baixas, mostram a menor antecipação de avanço de fase, mas a maior diminuição da estação vegetativa.

Pinot Noir, Sauvignon Blanc e Chardonnay, que são encontrados em altitudes mais elevadas, têm um comportamento oposto. Outra consequência será o encurtamento do período de colheita para as vinícolas, ligado a uma colheita nas vinhas ao longo dos transectos altitudinais menos escalados. Isso exigirá ajustes de gerenciamento na organização por parte das vinícolas.

À luz dessas previsões, os pesquisadores propõem duas possíveis estratégias de adaptação: para manter os mesmos tipos de produtos e qualidade, será possível se concentrar no cultivo de variedades existentes em áreas mais frias, ou seja, pensar em uma mudança no cultivo para a altitude, introduzindo mudanças no processo de vinificação e / ou optar pela mudança das videiras para as mais adequadas para climas mais quentes.

Uma abordagem proativa por parte dos viticultores para encontrar novas áreas adequadas para variedades tradicionais poderia trazer benefícios para a qualidade de alguns vinhos e, ao mesmo tempo, a introdução de novas variedades poderia abrir um novo mercado. Em qualquer caso, concluem os estudiosos, será necessária uma avaliação mais aprofundada dos efeitos das condições ambientais locais sobre a qualidade do vinho esperado e uma avaliação cuidadosa do mercado para as novas variedades de uvas.

Fonte: lastampa

Compartilhe

Deixe uma resposta

Sou Um Sommelier apaixanodado pelo mundo do vinho, que quer compartilhar tudo sobre a enogastronomia.