Grande é a sorte de quem tem uma boa garrafa, um bom livro e um bom amigo. "Molière"

Vinho e seus Terroirs

Barolo 1998 e Brunello 2001: 2020 é o ano certo para abri-los , no topo de sua evolução

Ano novo, safra nova e, inevitavelmente, uma profunda renovação da adega, porque, como todo amante de vinho que se preze sabe, uma garrafa, mesmo quando se trata de grandes territórios do vinho, não tem uma vida infinita e além da coleção e das grandes marcas, pois todo momento é perfeito para abrir e desfrutar um bom vinho.

2020, de acordo com o “Official Vintage Chart” da revista “Wine Enthusiast” dos EUA, será o ano certo para aproveitar ao máximo a safra de 2009 de Barbaresco, no auge de sua vida, assim como 2007, 2005 e 2004, enquanto que para os Barolos pode demorar mais alguns anos, é melhor focar em safras antigas como 1998, 1997 ou mesmo 1995. Na Toscana, é hora de abrir as garrafas do Brunello di Montalcino 2001, mas também as do 2007 de Bolgheri, bem como as safras que vão de 2004 a 2009 do Chianti Classico, no auge de sua evolução. Precisamos voltar, para 2001 e 2003, para encontrar o Amarone pronto e agradável, e para 2005 e 2006, para o Sagrantino di Montefalco. Entre os brancos, no entanto, não precisa ir muito longe, pelo contrário: o Soave e o Verdicchio, além de importantes capacidades evolutivas, principalmente de algumas marcas, com as safras 2018 e 2017 já garantem uma extraordinária experiência, bem como as Variações brancas de Trentino Alto Adige e Collio.


A Itália, no entanto, não é o único país capaz de produzir vinhos colecionáveis ​​ou de longa duração. Voar sobre as vinhas da França, entre as subáreas de Bordeaux, 2020 para os tintos, é o ano perfeito para abrir as safras 1998, 2001,

2002, 2003, 2004, 2006 e 2007 de Pomerol e Saint-Emilion, mas também as safras de 1998 a 2004, de 2006 a 2008 e 2012, da Médoc, bem como Graves ‘1996, 1998, 1999, 2001, 2003, 2004, 2006, 2007, 2008 e 2009. Na Borgonha, enquanto permanece na esfera dos vinhos tintos, chegou a hora de abrir o Pinot Noir da Côte de Nuits da safra de 1998 a 2004, de 2006 a 2008 e 2012; na Côte de Beaune, a espera por safras como 2001, 2003, 2006, 2007 e 2013 terminou; Finalmente, o Pinot Noir de Mâconnais, das safras de 2008 a 2011. Estendendo a análise aos brancos,

retornamos a Bordeaux, onde as safras da Graves de 2004 a 2009 estão no auge, bem como as das safras para Sauternes. 2002, 2005, 2006, 2007, 2008 e 2012. Na Borgonha, os Chablis produzidos entre 2004 e 2008, assim como as safras de 2001 e 2002, estão prontos para serem bebidos e apreciados, enquanto na Côte de Beaune as colheitas certas são 2001, 2002, 2004, 2006 e 2007. Falando em brancos, não se esqueça dos Rieslings da região Mosela na sua adega, principalmente as safras de 2004 a 2010.

E para quem viajou para a Espanha ao longo dos anos. E por fim, retornou com algumas garrafas de Rioja das safras de 2008 a 2014 ou, indo ainda mais longe, de 2004 a 2006, chegou a hora de apreciá-las.

Então o que você está esperando? Começar o ano metendo o saca-rolhas mas suas garrafas de vinhos!

Deixe uma resposta

Sou Um Sommelier apaixanodado pelo mundo do vinho, que quer compartilhar tudo sobre a enogastronomia.