Quais são as cidades que se bebe mais vinho no mundo?

Revelado o estudo “consumo e distribuição de vinho em grandes aglomerações urbanas em todo o mundo” de WINE PARIS

De 11 a 13 de fevereiro, a Expo Porte de Versailles sediará a primeira edição do Wine Paris, uma reunião internacional de profissionais do vinho, apoiada pela JFL Conseil/XJ Conseil análises et décisions. Poucos dias atrás, os resultados do estudo de Wine Paris “consumo e  distribuição de vinho em grandes aglomerações urbanas em todo o mundo” foram divulgados.

De acordo com a pesquisa de Paris, com um consumo de 5,3 milhões hectolitros em 2017-igual a 709 milhões garrafas, é a cidade onde se bebe mais vinho no mundo, seguida pela conurbação de Ruhr (Essen, Dortmund, Duisbourg), cujo consumo foi de 4 milhões hectolitros (537 m de garrafas), e em terceiro lugar, a cidade  Buenos Aires (3,6 milhões hectolitros).

Milão venceu o quarto lugar (3,3 milhões hectolitros), seguido por Londres

(2.950.000), Nova York (2,8 milhões), Los Angeles (2,2 milhões) e, em seguida, de Roma para 

oitavo lugar (1,7 milhões). O ranking das dez cidades fecha-se com Berlim (1.950.000) e Tóquio (1,2 milhões), a única cidade asiática.
Em seguida, o estudo revelou que a Itália, em um ranking de apenas dez posições, venceu dois, com Milão e Roma. Além disso, pode-se notar que grande parte do mercado e do consumo está concentrada nas grandes aglomerações urbanas. Mais da metade da população mundial, 54,9%, vivem na cidade, uma percentagem que cresce nos principais países consumidores de vinho: 83% dos britânicos, 82% dos americanos, 80% dos franceses, 80% dos espanhóis e 77% dos alemães vivem, compram e consomem seu vinho na cidade.

Nova York, Paris e Londres dependem de inúmeros pontos de distribuição, tanto na distribuição tradicional quanto na de grande distribuição. Em comparação com a população, Paris parece ter a área de distribuição mais densa do mundo. A capital francesa inclui uma importante rede de hotéis e restaurantes, bares de vinho, cafés, lojas de vinhos e vinícolas, oferecendo tanto aos consumidores franceses e turistas internacionais e empresários, grandes vinhos produzidos em diferentes territórios. Nas grandes realidades urbanas são ditadas as modas e tendências relacionadas com o consumo de vinho: em Paris nasceu a demanda agora imparável de vinhos naturais, vinhos orgânicos e o   interesse pelo vinho rosé.

Compartilhe

Deixe uma resposta