Enoacademy

Grande é a sorte de quem tem uma boa garrafa, um bom livro e um bom amigo. "Molière"

News Vinho e Negòcios

Osservatorio Signorvino: os wine lovers bebem sempre mais espumantes(e gastam mais) na Itália

Osservatorio Signorvino: os wine lovers bebem sempre mais espumantes, como sabem Itália é o maior produtor de vinhos do mundo atualmente, e um dos países que é referência mundial no quesito.

Hoje vou falar para vocês da última tendência aqui na Itália segundo uma pesquisa feita pelo Osservatorio Signorvino. Segundo a pesquisa Vêneto, Toscana, Piemonte, Lombardia e Trentino Alto Ádige: apenas cinco regiões respondem por 85% das vendas, em valor, da Signorvino, a mais importante “adega” da Itália, com 16 lojas nas cidades mais importantes do país. de Milão a Verona, de Turim a Florença, de Bolonha a Brescia e além, capaz de movimentar um milhão de garrafas de vinho por ano, para um faturamento de 31 milhões de euros.

Que, através dos números do seu Observatório, conta uma tendência de crescimento em valor de todos os tipos e (quase) todas as faixas de preço, com isso variando de 9,90 a 29,90 euros o que representa 48% das vendas , até + 8%. Os vinhos entre 29,90 e 49,90 euros por garrafa também foram bons, com alta de 9%, com uma participação de mercado de 20%, enquanto a faixa de 49,90 a 99,90, alta de 15%, vale 11% das vendas, menos do que isso variando de 5,90 a 9,90 euros, alta de + 12%, para 16% das garrafas vendidas nas lojas da Signorvino, quem perdeu um pouco de terreno , foram apenas as garrafas super premium, entre 99,90 e 3,900 euros por garrafa, queda de -2%, com participação de 5%.

O cliente médio, ainda revela o Observatório, ainda é do sexo masculino, entre 35 e 40 anos, com uma particular curiosidade pelas garrafas de pequenos produtores, principalmente se jovens e emergentes. Os rótulos das marcas mais populares também são importantes, especialmente entre os consumidores que estão se aproximando do mundo do vinho pela primeira vez, que se deixam levar pelos vinhos premiados pelos guias. Além disso, os números mais recentes mostram, nos primeiros seis meses de 2019, o boom de espumantes, que cresceu no mesmo período de 2018, com um peso nas vendas de 24% em valor.

Em primeiro lugar por incidência vendida temos o FRANCIACORTA com maior crescimento para Franciacorta Dosé Zero: a nova tendência de uma denominação que vai além da tipologia de Satén, nos últimos anos mantendo uma tendência de crescimento muito consistente. Esses dados mostram que o consumidor está cada vez mais caminhando para uma compra direcionada, demonstrando um gosto preciso e uma abordagem cada vez mais técnica.

O Prosecco confirma-se firmemente em segundo lugar na categoria, com uma evolução decisiva nas vendas da Cartizze, um sinal de que o consumidor, mesmo nos produtos mais comerciais, demonstra ter cada vez mais alta sensibilidade na busca pela qualidade e excelência, também em relação ao consumo diário, com faixas de preço moderadas. O Trentodoc fecha em terceiro lugar a classificação das Denominações dos espumantes, com o domínio absoluto da uva Pinot Noir que, na nuance do Rosé, demonstra o crescimento predominante. Esse detalhe sublinha o crescimento constante que a categoria de rosés está tendo em toda a denominação, mas também a categoria de análise.

Além disso, Trentodoc, apesar de ter um peso menor no lado de vendas em comparação com Franciacorta e Prosecco, é mostrado como a Denominação que mais cresce em termos de tendência entre todas os espumantes, registrando um crescimento de + 9% (seguido por Franciacorta com + 6%, depois Prosecco com + 4%). Continua a ser o nicho, mas não é negligenciável, pois a tendência registada é a da categoria re-fermentada, que cresceu 16% no período de referência. Mas a tendência em valor também é positiva para as outras categorias, com vinhos tintos que valem 54% das vendas, mas os vinhos brancos também se saem bem, representando 15,7% das vendas, e crescendo em valor em 14%. E, embora partindo de números ainda muito pequenos (3,8% do valor de vendas), os rosés crescem muito, em + 46%, enquanto os vinhos doces permanecem substancialmente marginais (2,5% das vendas, + 1% a tendência em valor).Segundo a pesquisa. Espero que tenham gostado em saber dessa tendência na Itália e dos outros números relacionados ao mercado italiano.

Deixe uma resposta

Sou Um Sommelier apaixanodado pelo mundo do vinho, que quer compartilhar tudo sobre a enogastronomia.