O plano de luta contra câncer da Comissão Europeia coloca em risco a promoção do vinho e da comida

0 comment



O plano da Comissão da UE para combater o câncer coloca a promoção do vinho em risco

O combate ao câncer, uma das grandes pragas da atualidade, é sem dúvida uma prioridade. Assim como não há dúvida de que limitar comportamentos que aumentam o risco de adoecer é dever ético de todos. Mas isso deve ser feito sem exceder em ações que não só prejudiquem cadeias econômicas e de emprego importantes, mas também prejudiquem o consumo que, se moderado e nas quantidades certas, tem efeitos benéficos para a saúde (bem como parte da pesquisa argumenta), pelo menos não são prejudiciais, além de fazerem parte de uma cultura e tradição centenárias.

No entanto, a Comissão Europeia está prestes a aprovar um documento que, embora nobre a este respeito, envolve muitos riscos para setores como o vinho e as bebidas espirituosas em geral: é o “Plano Europeu para Vencer o Cancer”, que deverá ser aprovado amanhã, antes do Dia Mundial do Câncer da OMS. E que, entre programas propostos a reforçar e outras iniciativas, põe em causa o consumo, e não o abuso, de vinho e bebidas alcoólicas, propondo medidas como a revisão da lei europeia sobre os impostos sobre o álcool e nas vendas internacionais também entre pessoas físicas a redução da publicidade online, e o fim do “estímulo ao consumo de álcool através dos programas de promoção de produtos agrícolas da UE”, como por exemplo o Ocm Vino, e ainda alterações nos rótulos com uma espécie de “propaganda” nas garrafas, como acontece com os cigarros, e assim por diante. Um documento de significado devastador, portanto, para a cadeia produtiva do vinho, já em dificuldades pela pandemia, e que há anos investe em programas de educação para o consumo moderado e consciente de vinho, estilo típico da cultura mediterrânica. Promovendo um consumo “cultural” que, por muitos, é considerado uma das ferramentas mais eficazes no combate ao consumo abusivo de álcool, o que é um problema palpável sobretudo no Norte da Europa.

Nos próximos dias, deve chegar uma posição oficial com o dossiê do Ceev, o Comité Européen des Enterprises Vins, com o secretário-geral, Ignacio Sanchez Recarte, que nos últimos dias, no Twitter, ele perguntou “por que, se a Comissão Europeia está tão orgulhosa de nossa comida, ela propõe interromper a promoção da UE de vinho, destilados, cerveja e carne vermelha na Europa’s Beating Cancer Plane”, sublinhando como “o risco está no abuso, e não no o produto “.

Enquanto o alarme é dado hoje na Itália por Coldiretti: “a União Europeia quer cancelar os fundos para a promoção de carnes, ensacados e vinhos, chegando a colocar rótulos alarmistas nas garrafas como nos maços de cigarros”, denuncia o presidente da Coldiretti Ettore Prandini em carta enviada ao Comissário Europeu para os Assuntos Económicos, Paolo Gentiloni, em referência ao novo “Plano de Ação para melhorar a saúde dos cidadãos europeus” na ordem do dia da reunião dos Comissários, “com a desculpa de proteger a saúde que, em por outro lado, deve ser salvaguardada através da promoção de uma alimentação equilibrada e variada sem criminalizar os alimentos individuais. As medidas da Comissão Europeia no âmbito da actividade de prevenção do Plano dizem respeito, entre outras coisas – relata Coldiretti -, a proposta de introdução de alarmes sanitários nos rótulos das bebidas alcoólicas antes de 2023 mas também o desejo de promoção dos produtos agro-alimentares, como carnes vermelhas e carnes processadas, que estão associadas a riscos de câncer.

You may also like

A sua privacidade é importante para nós. É política do Enoacademy respeitar a sua privacidade em relação a qualquer informação sua que possamos coletar no site Enoacademy, e outros sites que possuímos e operamos. Solicitamos informações pessoais apenas quando realmente precisamos delas para lhe fornecer um serviço. Aceitar Leia mais

Privacy & Cookies Policy