Grande é a sorte de quem tem uma boa garrafa, um bom livro e um bom amigo. "Molière"

News Vinho e Negòcios

É o Romanée-Conti o vinho mais caro do mundo. Na Itália o Monfortino de Giacomo Conter no é o mais caro.

Borgonha domina, como era fácil de prever, mas o mercado de vinhos fino está desacelerando, os preços médios dos dez vinhos mais caros do mundo que, nos últimos 12 meses, cresceram apenas 1,52%, comparado aos + 43,9% há um ano atrás, impulsionado pelo boom de três nomes, Musigny e Chambertin do Domaine Leroy (+ 125,8% e 84,75%) e Musigny do Domaine Georges & Cristophe Roumier (+ 80,6%) , cujos preços hoje são essencialmente estáveis. É o fim do boom de preços dos vinhos de alta gama nos últimos anos?

Garrfas de Romanèe Conti

É difícil dizer, mas é certamente o dado mais significativo que emerge do “The World’s Most Expensive Wines”  a lista anual dos vinhos mais caros do mundo, que analisa e reúne os preços médios de milhares de rótulos mercado com pelo menos quatro das últimas dez safras e presentes em pelo menos 5 lojas online.

A outra notícia, que infelizmente não é surpreendente, é que não há italianos no top 50, com muitas confirmações entre as primeiras posições e alguns pequenos ajustes.

Lista dos top 10

O vinho mais caro do mundo, portanto, ainda é o Romanée-Conti do Domaine de la Romanée-Conti, a um preço médio de US $ 20.405 por garrafa, seguido no pódio por outro símbolo da Borgonha, o Musigny de Domaine Leroy (15,680). dólares), e pelo rei do Mosela, o Scharzhofberger Riesling Trockenbeerenauslese por Egon Muller ($ 13,558). Na posição n. 4, o Musigny do Domaine Georges & Cristophe Roumier (13-050 dólares), no. 5 o Montrachet de Domaine Leflaive (10.100 dólares), seguido pelo n. 6 de Montrachet do Domaine de la Romanée-Conti (US $ 7.921). Na posição n. 7 o Chambertin de Domaine Leroy (7,553 dólares), depois para o n. 8 o Chevalier-Montrachet do Domaine d’Auvenay (6.616 dólares), seguido por um símbolo da enologia dos EUA, como Sauvignon Blanc pela Screaming Eagle (6.070 dólares), no no. 9, e do Richebourg do Domaine Leroy (6,006), que fecha o top 10 dos vinhos mais caros do mundo. Expandindo a análise para os 50 melhores vinhos no ranking, a dominação da Borgonha é interrompida por 11 rótulos alemães, 6 dos quais do Moselle, a segunda região mais representada, até mais do que Bordeaux, que no ranking tem apenas três vinhos: Petrus, Le Pin e Liber Pater. E a Itália?

Barolo Monfortino

Italianos mais caros

Como mencionado, nenhum vinho do Belpaese conseguiu entrar no top 50, mas para os rótulos tricolores Wine-Searcher dedica uma classificação ad hoc, o “vinho italiano mais caro” que, em primeiro lugar, coloca o Barolo Riserva Monfortino por Giacomo Conterno, on-line, em média, a 1.083 euros por garrafa, seguido por Masseto (678 euros) e Brunello di Montalcino Reserva Case Basse por Gianfranco Soldera (627 euros). Atrás, outro pedaço da história da viticultura italiana, o Brunello di Montalcino Riserva de Biondi Santi (491 euros), na posição n. 4, seguido do Rótulo Etichetta d’Artista di Barolo Mascarello (426 euros), na posição n. 5, em seguida, o Testamatta Colore por Bibi Graetz (409 euros) n. 6. Etichetta d’Artista di Barolo Mascarello ( entre os rótulos mais valiosos, na posição n. 7 aqui está o Vin Santo di Montepulciano Occhio di Pernice, de Avignonesi (406 euros), então um rótulo de nicho como o de Barolo Piè Franco Otin Fiorin de Cappellano (394 euros), no. 8, mesmo em frente do Sori San Lorenzo di Gaja (387 euros), na posição n. 9, e o Barolo Riserva Villero di Vietti (378 euros) para fechar um top 10 dividido igualmente entre a Toscana e o Piemonte, que dominam as primeiras 25 posições, onde encontramos apenas duas exceções: o Montepulciano d’Abruzzo di Valentini e o Amarone di Dal Forno Romano.

Deixe uma resposta

Sou Um Sommelier apaixanodado pelo mundo do vinho, que quer compartilhar tudo sobre a enogastronomia.