Home News É o Romanée-Conti o vinho mais caro do mundo. Na Itália o Monfortino de Giacomo Conter no é o mais caro.

É o Romanée-Conti o vinho mais caro do mundo. Na Itália o Monfortino de Giacomo Conter no é o mais caro.

0 comment

Borgonha domina, como era fácil de prever, mas o mercado de vinhos fino está desacelerando, os preços médios dos dez vinhos mais caros do mundo que, nos últimos 12 meses, cresceram apenas 1,52%, comparado aos + 43,9% há um ano atrás, impulsionado pelo boom de três nomes, Musigny e Chambertin do Domaine Leroy (+ 125,8% e 84,75%) e Musigny do Domaine Georges & Cristophe Roumier (+ 80,6%) , cujos preços hoje são essencialmente estáveis. É o fim do boom de preços dos vinhos de alta gama nos últimos anos?

Garrfas de Romanèe Conti

É difícil dizer, mas é certamente o dado mais significativo que emerge do “The World’s Most Expensive Wines”  a lista anual dos vinhos mais caros do mundo, que analisa e reúne os preços médios de milhares de rótulos mercado com pelo menos quatro das últimas dez safras e presentes em pelo menos 5 lojas online.

A outra notícia, que infelizmente não é surpreendente, é que não há italianos no top 50, com muitas confirmações entre as primeiras posições e alguns pequenos ajustes.

Lista dos top 10

O vinho mais caro do mundo, portanto, ainda é o Romanée-Conti do Domaine de la Romanée-Conti, a um preço médio de US $ 20.405 por garrafa, seguido no pódio por outro símbolo da Borgonha, o Musigny de Domaine Leroy (15,680). dólares), e pelo rei do Mosela, o Scharzhofberger Riesling Trockenbeerenauslese por Egon Muller ($ 13,558). Na posição n. 4, o Musigny do Domaine Georges & Cristophe Roumier (13-050 dólares), no. 5 o Montrachet de Domaine Leflaive (10.100 dólares), seguido pelo n. 6 de Montrachet do Domaine de la Romanée-Conti (US $ 7.921). Na posição n. 7 o Chambertin de Domaine Leroy (7,553 dólares), depois para o n. 8 o Chevalier-Montrachet do Domaine d’Auvenay (6.616 dólares), seguido por um símbolo da enologia dos EUA, como Sauvignon Blanc pela Screaming Eagle (6.070 dólares), no no. 9, e do Richebourg do Domaine Leroy (6,006), que fecha o top 10 dos vinhos mais caros do mundo. Expandindo a análise para os 50 melhores vinhos no ranking, a dominação da Borgonha é interrompida por 11 rótulos alemães, 6 dos quais do Moselle, a segunda região mais representada, até mais do que Bordeaux, que no ranking tem apenas três vinhos: Petrus, Le Pin e Liber Pater. E a Itália?

Barolo Monfortino

Italianos mais caros

Como mencionado, nenhum vinho do Belpaese conseguiu entrar no top 50, mas para os rótulos tricolores Wine-Searcher dedica uma classificação ad hoc, o “vinho italiano mais caro” que, em primeiro lugar, coloca o Barolo Riserva Monfortino por Giacomo Conterno, on-line, em média, a 1.083 euros por garrafa, seguido por Masseto (678 euros) e Brunello di Montalcino Reserva Case Basse por Gianfranco Soldera (627 euros). Atrás, outro pedaço da história da viticultura italiana, o Brunello di Montalcino Riserva de Biondi Santi (491 euros), na posição n. 4, seguido do Rótulo Etichetta d’Artista di Barolo Mascarello (426 euros), na posição n. 5, em seguida, o Testamatta Colore por Bibi Graetz (409 euros) n. 6. Etichetta d’Artista di Barolo Mascarello ( entre os rótulos mais valiosos, na posição n. 7 aqui está o Vin Santo di Montepulciano Occhio di Pernice, de Avignonesi (406 euros), então um rótulo de nicho como o de Barolo Piè Franco Otin Fiorin de Cappellano (394 euros), no. 8, mesmo em frente do Sori San Lorenzo di Gaja (387 euros), na posição n. 9, e o Barolo Riserva Villero di Vietti (378 euros) para fechar um top 10 dividido igualmente entre a Toscana e o Piemonte, que dominam as primeiras 25 posições, onde encontramos apenas duas exceções: o Montepulciano d’Abruzzo di Valentini e o Amarone di Dal Forno Romano.

You may also like

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Privacy & Cookies Policy