Enoacademy

Grande é a sorte de quem tem uma boa garrafa, um bom livro e um bom amigo. "Molière"

News Vinho e Negòcios

Brunello di Montalcino é ainda o vinho mais caro seguido por Amarone e Barolo

O panorama dos preços médios na origem das principais denominações vitivinícolas do Belpaese, em sua cúpula de produção, conta um 2019 que chega em alta com muitas confirmações e algumas oscilações importantes. De acordo com os dados atualizados de dezembro de 2019 pela Ismea – que nem sempre corresponde à tendência real do mercado -, de fato, o ano terminou com Brunello di Montalcino ainda no topo, a 1.085 euros por hectolitro, no mesmo nível do mês anterior e de dezembro de 2018. Logo trás, o Amarone della Valpolicella, de acordo com a Bolsa de Mercadorias da Câmara de Comércio de Verona, fechou o ano com cotações que variam, dependendo da safra, de 725 a 800 euros por hectolitro, enquanto o Barolo perdeu -15,8% em dezembro de 2018, com um preço médio de 665 euros por hectolitro, e Barbaresco limitou os danos (-3,6%), fechando em 535 euros por hectolitro, um pouco menos que o dobro do Chianti Clássico, com uma queda de -3,5%, para 272,5 euros por hectolitro.

Permanecendo entre as denominações tintas, o Etna se sai bem, um ponto de referência cada vez mais qualitativo no sul da Itália, com preços que agora ultrapassam os 200 euros por hectolitro (205, para ser preciso), crescendo 13,9% em Dezembro de 2018.

Entre as denominações mais importantes, tanto em volume quanto em história. Temos que relatar a queda evidente do Chianti (-19,6%), que paralisou em 112,50 euros por hectolitro, enquanto Montepulciano d’Abruzzo permanece substancialmente estável (-0,8%) a 73,75 euros por hectolitro. Em termos de crescimento, a melhor evolução é a de uma denominação menos conhecida, Monica di Sardegna (+ 31,7%, a 160 euros por hectolitro), enquanto Barbera do Piemonte registra a queda mais visível (-26,1 %), com quase todas as principais denominações do Piemonte terminando 2019 com o sinal negativo.


Mudando o foco para o mundo dos vinhos brancos, os preços, que se movem em uma faixa decididamente mais baixa e mais estreita que os tintos , destacam-se as denominações do Piemonte, com Gavi e Cortese di Gavi na liderança, ambos a 280 euros por hectolitro , embora tenha diminuído de 3,4% em dezembro de 2018, diante das bases de duas grandes denominações de espumantes do Belpaese: Pinot Noir da Trentodoc, que custa 275 euros por hectolitro (+ 3,8%) no mercado e Prosecco di Conegliano Valdobbiadene , de forma estável a 245 euros por hectolitro. Portanto, logo depois encontramos Vermentino di Gallura (+ 4,5%) e Roero Arneis (+ 2,2%) a um preço de 235 euros por hectolitro, seguido pela Prosecco, a 200 euros por hectolitro, o que também marca uma das melhores evoluções no ano (+ 12,7%), e os vinhos básicos de Marsala, a 195 euros por hectolitro (+ 2,2%).

Também dignos de nota são os preços do Soave, que aumentam de 4,5% a 92 euros por hectolitro, os de Orvieto, entre as principais denominações da Úmbria e da Itália Central, estáveis ​​a 100 euros por hectolitro, o Asti Moscato , preso nos níveis de dezembro de 2018 em 170 euros por hectolitro, e no Chardonnay de Oltrepo Pavese, que é confirmado em 140 euros por hectolitro.

Deixe uma resposta

Sou Um Sommelier apaixanodado pelo mundo do vinho, que quer compartilhar tudo sobre a enogastronomia.