Home News Borgonha lidera lista dos “Vinhos mais caros do mundo” da Wine-Searcher

Borgonha lidera lista dos “Vinhos mais caros do mundo” da Wine-Searcher

0 comment

Preços de cinco dígitos, que cresceram dramasticamente de um ano para o outro, domínio quase absoluto da Borgonha, e em particular do Domaine de la Romanée-Conti, e do “intruso” usual, o lendário Riesling de Egon Müller: veja como muda, mas sem grandes revoluções, os dez primeiros dos “Vinhos Mais Caros do Mundo”, alinhados pelo “Wine-Searcher”.

Como mencionado, oito vinhos atingiram preços médios de cinco dígitos (eram seis em 2020 e cinco em 2021), com o Domaine Leroy Musigny Grand Cru no topo, a $ 32.857 por garrafa (90% a mais que um ano atrás), acompanhado no pódio pelo Grand Cru Domaine de la Romanée-Conti, por $ 21.953, e pelo Grand Cru Leroy Domaine d’Auvenay Chevalier-Montrachet, por $ 20.614 (um ano atrás custava “apenas” $ 7.553).

Na posição no. 4, novamente a Borgonha, com Henri Jayer Cros Parantoux ($ 16.867), seguido pela posição no. 5 do vinho mais precioso da Moselle, Egon Müller Scharzhofberger Riesling Trockenbeerenauslese ($ 16.114). E novamente, na posição no. 6 Grand Cru Domaine Georges & Christophe Roumier Musigny ($ 15.619), no. 7 Grand Cru Domaine Leflaive Montrachet ($ 12.911) e no. 8 Grand Cru Domaine Leroy Chambertin ($ 12.601). O único vinho do Ródano no ranking fecha a lista, o Domaine Jean-Louis Chave Ermitage Cuvée Cathelin ($ 9.156) e o Domaine de la Romanée-Conti Montrachet Grand Cru ($ 9.123).

Um Gotha que até os produtores renomados italianos se aproximam a passos pequenos, cada vez menos distantes de certos picos, mas ainda a preços, ao todo, acessíveis, com apenas duas garrafas que excedem, na média do Wine-searcher de preços, a 1.000 euros. Barolo Riserva Monfortino de Giacomo Conterno, que está em média a € 1.095 e, por um pouco menos, Amarone della Valpolicella de Giuseppe Quintarelli, a € 1.076. Ambos, e há que sublinhar, estão crescendo com os preços que subiram há um ano comparados aos preços de abril, quando o Amarone da Quintarelli custava pouco mais da metade (561 euros). Flutuações importantes, devido à raridade cíclica de algumas garrafas, bem como à recuperação da economia real, mas os preços ainda estão longe do topo de Bordeaux e Borgonha. Em terceiro lugar, o Barbaresco Crichet Paje di Roagna, a 781 euros a garrafa (+ 5,3% em abril), completando um pódio que confirma a bondade dos investimentos e da acessibilidade dos bons vinhos italianos mesmo para quem não tem intenção de fazer uma hipoteca para comprar um grande vinho.

Em quarto lugar está Brunello di Montalcino Riserva Case Basse – Gianfranco Soldera, a 775 euros por garrafa (+ 17% em 2020), seguido de Massetto, apenas um euro mais barato, a 774 euros por garrafa, ou 13,3% mais que um ano atrás, e um preço médio aumentou 34% nos últimos cinco anos. Em sexto lugar, Barolo Piè Franco da Cappellan, que passou de 531 euros em abril para 630 euros hoje (+ 18,6%), seguido em sétimo pelo Refosco Colli Orientali del Friuli “Calvari” de Miani, com 603 euros por garrafa (+ 3,6%) . Em oitavo lugar, o Toscana Igt Case Basse de Gianfranco Soldera, a 587 euros a garrafa, seguido do Barolo Riserva Monprivato Cà d ‘Morissio de Mascarello Giuseppe e Figlio, a 584 euros (+ 6,2% do preço médio em abril) e , para fechar o top ten, o Barolo “Le Rocche di Castiglione Falletto” de Bruno Giacosa, a 570 euros (+ 15,2%).

Fonte: https://winenews.it/it/la-borgogna-domina-la-the-worlds-most-expensive-wines-di-wine-searcher_450081/

You may also like

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais

Privacy & Cookies Policy