Borgonha lidera lista dos “Vinhos mais caros do mundo” da Wine-Searcher

0 comment

Preços de cinco dígitos, que cresceram dramasticamente de um ano para o outro, domínio quase absoluto da Borgonha, e em particular do Domaine de la Romanée-Conti, e do “intruso” usual, o lendário Riesling de Egon Müller: veja como muda, mas sem grandes revoluções, os dez primeiros dos “Vinhos Mais Caros do Mundo”, alinhados pelo “Wine-Searcher”.

Como mencionado, oito vinhos atingiram preços médios de cinco dígitos (eram seis em 2020 e cinco em 2021), com o Domaine Leroy Musigny Grand Cru no topo, a $ 32.857 por garrafa (90% a mais que um ano atrás), acompanhado no pódio pelo Grand Cru Domaine de la Romanée-Conti, por $ 21.953, e pelo Grand Cru Leroy Domaine d’Auvenay Chevalier-Montrachet, por $ 20.614 (um ano atrás custava “apenas” $ 7.553).

Na posição no. 4, novamente a Borgonha, com Henri Jayer Cros Parantoux ($ 16.867), seguido pela posição no. 5 do vinho mais precioso da Moselle, Egon Müller Scharzhofberger Riesling Trockenbeerenauslese ($ 16.114). E novamente, na posição no. 6 Grand Cru Domaine Georges & Christophe Roumier Musigny ($ 15.619), no. 7 Grand Cru Domaine Leflaive Montrachet ($ 12.911) e no. 8 Grand Cru Domaine Leroy Chambertin ($ 12.601). O único vinho do Ródano no ranking fecha a lista, o Domaine Jean-Louis Chave Ermitage Cuvée Cathelin ($ 9.156) e o Domaine de la Romanée-Conti Montrachet Grand Cru ($ 9.123).

Um Gotha que até os produtores renomados italianos se aproximam a passos pequenos, cada vez menos distantes de certos picos, mas ainda a preços, ao todo, acessíveis, com apenas duas garrafas que excedem, na média do Wine-searcher de preços, a 1.000 euros. Barolo Riserva Monfortino de Giacomo Conterno, que está em média a € 1.095 e, por um pouco menos, Amarone della Valpolicella de Giuseppe Quintarelli, a € 1.076. Ambos, e há que sublinhar, estão crescendo com os preços que subiram há um ano comparados aos preços de abril, quando o Amarone da Quintarelli custava pouco mais da metade (561 euros). Flutuações importantes, devido à raridade cíclica de algumas garrafas, bem como à recuperação da economia real, mas os preços ainda estão longe do topo de Bordeaux e Borgonha. Em terceiro lugar, o Barbaresco Crichet Paje di Roagna, a 781 euros a garrafa (+ 5,3% em abril), completando um pódio que confirma a bondade dos investimentos e da acessibilidade dos bons vinhos italianos mesmo para quem não tem intenção de fazer uma hipoteca para comprar um grande vinho.

Em quarto lugar está Brunello di Montalcino Riserva Case Basse – Gianfranco Soldera, a 775 euros por garrafa (+ 17% em 2020), seguido de Massetto, apenas um euro mais barato, a 774 euros por garrafa, ou 13,3% mais que um ano atrás, e um preço médio aumentou 34% nos últimos cinco anos. Em sexto lugar, Barolo Piè Franco da Cappellan, que passou de 531 euros em abril para 630 euros hoje (+ 18,6%), seguido em sétimo pelo Refosco Colli Orientali del Friuli “Calvari” de Miani, com 603 euros por garrafa (+ 3,6%) . Em oitavo lugar, o Toscana Igt Case Basse de Gianfranco Soldera, a 587 euros a garrafa, seguido do Barolo Riserva Monprivato Cà d ‘Morissio de Mascarello Giuseppe e Figlio, a 584 euros (+ 6,2% do preço médio em abril) e , para fechar o top ten, o Barolo “Le Rocche di Castiglione Falletto” de Bruno Giacosa, a 570 euros (+ 15,2%).

Fonte: https://winenews.it/it/la-borgogna-domina-la-the-worlds-most-expensive-wines-di-wine-searcher_450081/

You may also like

A sua privacidade é importante para nós. É política do Enoacademy respeitar a sua privacidade em relação a qualquer informação sua que possamos coletar no site Enoacademy, e outros sites que possuímos e operamos. Solicitamos informações pessoais apenas quando realmente precisamos delas para lhe fornecer um serviço. Aceitar Leia mais

Privacy & Cookies Policy
%d blogueiros gostam disto: